Vivendo as alegrias e esperanças em meio aos sofrimentos 

Texto: 1Ped 1, 3-9.

4. binh-minh-01Quando esta carta foi escrita reinava Domiciano em Roma e a perseguição dos cristãos era uma das mais severas. Havia quem desanimasse e não percebesse como encontrar caminhos entre tantas dificuldades. Era necessário mostrar as motivações que poderiam levar os cristãos a perseverar. Era necessário per UM PORQUÊ (VIVER) PARA AGUENTAR QUALQUER COMO VIVER (Viktor Emil Franckl, baseado em Nietsche).

O texto começa com uma “Bendição” (Berakah). Uma bendição semelhante às do ofertório da Missa: “Bendito sejais Deus do Universo pelo pão, vinho etc. recebidos de vossa bondade… Tudo vem de Deus e Deus está guiando a história e os acontecimentos. A fé explicava tudo e todas as coisas como frutos da bondade e da misericórdia de Deus. O povo da época interpretava todos os acontecimentos através da fé ou da religião.

Aqui a bendição parte do fato da Ressurreição de Cristo, que nos faz nascer de novo para uma esperança viva. É o que Juergen Moltmann acentua quando fala da Teologia da Esperança e o papa Bento XVI nos recomenda na Encíclica Spe Salvi (Salvos pela Esperança). Se o nosso futuro é o futuro do Ressuscitado, vale apena permanecer fiel. A motivação é até maior do que se poderia esperar. Teremos uma herança incorruptível, que não estraga nem murcha e nem os imperadores deste mundo podem nos roubar. E a carta nos diz que esta herança é reservada para nós.

Ele consola os perseguidos dizendo que esta salvação está reservada e os fiéis estão guardados para a salvação. Esta motivação, diz o texto, é motivo de alegria, apesar das perseguições e sofrimentos. “Embora seja agora necessário ficar algum tempo aflitos”, o futuro é promissor. É uma provação que até purifica o “ouro”, que é algo de pouco valor se a vida está em jogo. O ouro é perecível, afirma o texto, mas ao se deixar purificar alcançará louvor, honra e glória. O fiel dever então dar-se coragem porque a motivação supera todas as riquezas e grandezas do mundo. Estas motivações animaram os primeiros cristãos perseguidos.

O escritor elogia a fé dos que creem sem terem visto ou experimentado tais vitórias. Sem terem visto, eles amam esse Deus que ressuscita e acreditam nele… Isso é fonte de alegria indizível e gloriosa porque obterão o que esperam. Vale a pena enfrentar todas as dificuldades e manter o rumo que a fé aponta.

COMO REZAR O TEXTO

Visite com Jesus a comunidade que recebeu a carta. Constate as dificuldades. Depois conte a Jesus as suas dificuldades e as dificuldades de nossa ou nossas comunidades atuais. No momento em que estou escrevendo, a greve dos caminhoneiros mostra as dificuldades de nosso povo, sobretudo de nossos pobres. A vida religiosa, matrimonial ou simplesmente o fato de viver não está sendo fácil. Alguns abandonam o casamento ou deixam a vida consagrada com certa facilidade, porque não encontram sentido, motivos para continuar. Para que continuar, se o futuro está nublado ou até escuro?

Os sacrifícios que devemos enfrentar nos parecem grandes e com poucas expectativas de melhora. Por vezes, até imaginamos os nossos problemas fazendo-os maiores do que realmente são. Duvidamos que nosso futuro possa realmente ser melhor e avaliamos que os sofrimentos não compensam, porque o que esperamos deixou de ser atraente ou perdemos a fé na vitória. Haverá mesmo um futuro compensador para tantos sofrimentos e trabalhos?

Sugiro então que retome a conversa com Jesus sobre suas esperanças e motivações. Você costuma recolocar seu futuro a partir das promessas de Jesus? Você acredita ainda na concretização do Reino de Deus neste mundo e na vitória final da Ressurreição?

Quando a velhice vai chegando, as esperanças humanas vão diminuindo. Perdemos a audição, a visão, a capacidade de trabalhar e até de pensar. Esquecemos as coisas e muito mais do que isso. Mas, os jovens também perdem esperanças e se perdem em futilidades. O momento parece bastante sério. Mais do que nunca, precisamos retornar a Jesus às suas promessas. Em Jo 14, ele nos diz que iria à nossa frente preparar-nos um lugar, para que lá onde Ele estivesse, pudéssemos estar também nós. E espera que o Reino se desenvolva nesse mundo com a nossa colaboração. Converse com Jesus sobre as suas motivações.

O que fazer?

Entre na barca de Jesus para atravessar este oceano. Peça a fé como fizeram os apóstolos: “Creio, Senhor, mais aumente a minha fé”. A fé é uma graça e é preciso pedi-la com humildade. Ajoelhe-se diante de Jesus e ponha a sua vida nas mãos dele. Perceba como Ele olha para você e como o ama. Você precisa urgentemente DEIXAR-SE AMAR. Você precisa descobrir as grandes motivações que nascem da fé. E se você se sentir amado, o que Ele provou na Cruz, você ganhará forças e lutará para vencer.

Conte com Jesus e renove suas motivações, suas esperanças. Com Ele, vale a pena viver e até morrer. Assim nos deram testemunho os mártires e sobretudo Jesus que ressuscita.

 

PERGUNTAS

  • Quais são seus sofrimentos e dificuldades?
  • Que motivações ou valores você tem para enfrentar estas dificuldades?
  • Quais são suas esperanças de vencer com Jesus?

Por Pe Eugênio João Mezzomo, CP