Parte da segunda seção do primeiro dia da reunião do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada na sede da entidade, em Brasília (DF) de 19 a 21 de junho, foi dedicada à uma análise de conjuntura do processo político brasileiro tendo em vista as eleições 2018. A análise foi desenvolvida pelo doutor em filosofia pela Unicamp e membro da Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP), Pedro Gontijo.

Antes de entrar na análise das candidaturas e o que elas representam, o professor adjunto do Departamento de Filosofia do Programa de Pós-Graduação em Metafísica da Universidade de Brasília, apresentou as características das concepções de desenvolvimento em disputa no Brasil: o projeto neoliberal e o projeto “neodesenvolvimentista”. Este tomou corpo no país a partir de 2003 e significou maior presença do Estado como indutor da economia e maior reforço em políticas sociais.

“A Ponte para o Futuro”, projeto do PMBD implementado após o impedimento da presidenta Dilma Rousseff, na avaliação do professor, trata-se de um retorno da agenda neoliberal, expresso em políticas de privatizações e cortes sociais em curso no Brasil. Segundo o próprio Tribunal de Contas da União (TCU), a Emenda Constitucional nº 95 de 2016, que prevê que a despesa primária da União não poderá crescer em ritmo superior ao da taxa de inflação pelo período de 20 anos (2017-2036), levará o país à uma paralisia total já no primeiro semestre de 2024.

Projetos em disputa – O professor defende também que é importante analisar o comportamento do Supremo Tribunal Federal (STF), que terá nova presidência ainda este ano, e do Legislativo brasileiro que atualmente tem uma representação distorcida que não contempla a diversidade da sociedade brasileira, além dos interesses pessoais dos políticos e de bancadas que se sobrepõem ao interesse público.

A análise chamou atenção ao papel da mídia que tem atuado “criminalizando” a atividade política. O professor destacou ainda a atuação de setores evangélicos cuja estratégia é chegar a ocupar 30% das vagas no Congresso Nacional.

O professor defende que por trás das candidaturas apresentadas ao eleitorado brasileiro há projetos diferentes: conservador autoritário, neoliberal, neodesenvolvimentista, popular, híbrido político e econômico. Somado às velhas estratégias de compra de votos e de manipulação do eleitorado, as fakenews (falsas notícias) e robôts virtuais são a grande novidade que podem ter uma interferência no processo e no resultado do processo eleitoral no Brasil.

O cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, disse ser necessário olhar com bastante cuidado sobre a eleição para as casas legislativas, uma vez que a eleição fica muito focada nos cargos executivos. Ele defende que o Congresso Nacional é fundamental na política brasileira sendo necessário, em razão disto, investir em um processo de renovação dos quadros políticos.

Por CNBB